RELAÇÕES DE COMUNICAÇÃO E CONDIÇÕES DE PRODUÇÃO EM ARRANJOS JORNALÍSTICOS

Rafael Rodrigues da Costa, Mayara Carolinne Beserra de Araújo, Raphaelle Batista

Resumen


Este artigo apresenta um recorte da pesquisa “Arranjos alternativos de jornalismo no Ceará: relações de comunicação e condições de trabalho”, cujo objetivo é analisar as relações de comunicação e as condições de produção no trabalho jornalístico em arranjos ‘alternativos’ às grandes corporações de mídia no estado do Ceará, no Brasil. A pesquisa foi iniciada em 2019 pelo Grupo de Pesquisa Práxisjor e atualmente se encontra em sua segunda etapa. Trata-se de uma investigação exploratória que vem se utilizando de instrumentais metodológicos diversos, como a análise de autodeclarações presentes nos sites e redes sociais de 63 arranjos e entrevistas em profundidade com representantes de iniciativas. Finda a etapa de análise de autodeclarações (Costa, Araújo & Batista, 2020), a pesquisa busca, em sua segunda fase, traçar um perfil dos arranjos, aprofundar percepções e discutir dados revelados na análise anterior. Este relato de pesquisa discute oito entrevistas (Duarte, 2004) realizadas com representantes de arranjos cearenses entre os meses de julho e setembro de 2020, por videochamada. As gravações foram transcritas e analisadas como relatos de experiência pessoal (Labov, 1997; 2010), além de concepções não necessariamente narrativas apresentadas pelos entrevistados, a exemplo de suas percepções sobre o que seja jornalismo independente ou alternativo, entre outras, aqui tidas como importantes para a obtenção de pontos de vista (Cunha, 2012) que exprimem as crenças e valores daqueles interlocutores. As entrevistas permitem inferir que as iniciativas encontram-se em estágios distintos no que toca à sustentabilidade financeira e organização das relações de trabalho, embora partilhem de valores jornalísticos que orientam suas produções.


ARKhttp://id.caicyt.gov.ar/ark:/s18535925/6r4g9p7zp


Palabras clave


Jornalismo Alternativo; Arranjos de trabalho; Comunicação e Trabalho; Entrevistas

Texto completo:

PDF

Referencias


Anderson, C. W., Bell, E., & Shirky, C. (2013). Jornalismo pós-industrial: adaptação aos novos tempos. Revista de Jornalismo ESPM, 5(3), 30-89.

Araújo, M. Lucas, R.J.L. (2020, novembro). Heroísmo e saudades: fachadas de jornalistas cearenses durante a pandemia de Covid-19. Anais do Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo, evento virtual, Brasil, 18. Recuperado de http://sbpjor.org.br/congresso/index.php/sbpjor/sbpjor2020/paper/viewFile/2564/1489.

Atton, C., & Hamilton, J. F. (2008). Alternative journalism. Sage.

Baldin, N., & Munhoz, E. M. B. (2011, November). Snowball (bola de neve): uma técnica metodológica para pesquisa em educação ambiental comunitária. In Congresso Nacional de Educação, (10) 329-341.

Bauman, Z. (2001). Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (2020). Cartilha dos Direitos dos Participantes de Pesquisa - Versão 1.0. Brasília: CONEP/CNS/MS.

Breed, W. (1993). Controlo social na redacção: uma análise funcional. Jornalismo: questões, teorias e “estórias”. Lisboa: Vega, 152-166.

Charron, J., & Bonville, J. D. (2016). Natureza e transformação do jornalismo. Florianópolis: Insular.

Artigo do Autor 1, Autora 2 e Autora 3. (dado extraído para fins de avaliação)

Cunha, D. D. A. C. D. (2012). Reflexões sobre o ponto de vista e a construção discursiva de comentários de leitores na web. Investigações, Linguística e Teoria Literária, 25(2), 21-41.

Deslauriers, J. P., & Kérisit, M. (2008). O delineamento de pesquisa qualitativa. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos, 2, 127-53.

Deuze, M. & Witschge, T. (2015). Além do jornalismo. Leituras do jornalismo, 2(4).

Duarte, R. (2004). Entrevistas em pesquisas qualitativas. Educar em revista, (24), 213-225.

Fígaro, R. (2008). Atividade de comunicação e de trabalho. Trabalho, Educação e Saúde, 6(1), 107-146. Recuperado de https://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462008000100007.

Fígaro, R. (2014). O campo da comunicação e a atividade linguageira no mundo do trabalho. Chasqui: Revista Latinoamericana de Comunicación, (126), 57-65.

Fígaro, R. (Coord.). As relações de comunicação e as condições de produção no trabalho de jornalistas em arranjos econômicos alternativos às corporações de mídia. São Paulo: ECA/USP, 2018a.

Fígaro, R. (2018b). O mundo do trabalho das jornalistas: feminismo e discriminação profissional. Brazilian Journalism Research (BJR), 14(2).

Fígaro, R. & Nonato, C. (2017). Novos "arranjos" econômicos alternativos para a produção jornalística. Contemporanea - comunicação e cultura, 15(1), 47-63.

Genro Filho, A. (2012). O Segredo da Pirâmide: para uma teoria marxista do jornalismo. Florianópolis: Insular.

Harvey, D. (2016). Condição pós-moderna. São Paulo: Edições Loyola.

Labov, W. (1997). Some further steps in narrative analysis. Journal of narrative and life history, 7, 395-415.

Labov, W. (2010). Oral narratives of personal experience. Cambridge encyclopedia of the language sciences, 546-548.

Lelo, T. V. (2019). Reestruturações produtivas no mundo do trabalho dos jornalistas: precariedade, tecnologia e manifestações da identidade profissional. Tese de doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Meditsch, E. (2002). O jornalismo é uma forma de conhecimento. Media & Jornalismo, 1(1), 9-22.

Mick, J., & Tavares, L. (2017) A governança do jornalismo e alternativas para a crise. In Brazilian Journalism Research, 13 (2), 120-145.

Piovesan, A., & Temporini, E. R. (1995). Pesquisa exploratória: procedimento metodológico para o estudo de fatores humanos no campo da saúde pública. Revista de Saúde Pública, 29(4), 318-325.

Projor (2020). Atlas da Notícia. Recuperado em 10 julho, 2020, de https://www.atlas.jor.br/.

Salaverría, R. (2014). Multimedialidade: informar para cinco sentidos. In Webjornalismo - sete características que fazem a diferença (pp. 25-51). Covilhã: LABCOM Books.

Seixas, L. (2009). Redefinindo os gêneros jornalísticos. Proposta de novos critérios de classificação. Portugal: LabCom Books.

Sembramedia (2017). Relatório Ponto de Inflexão - Impacto, ameaças e sustentabilidade: Um estudo dos empreendedores digitais latino-americanos. Recuperado em 11 janeiro, 2019, de http://data.sembramedia.org/.

Souza, J. P. (2005). Construindo uma teoria multifactorial da notícia como uma teoria do jornalismo. Estudos em Jornalismo e Mídia, 2(1), 73-92.

Traquina, N. (2005). Teorias do jornalismo. Volume 1. Por que as notícias são como são. Insular.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.



Estadísticas
Visitas al Resumen:44
PDF:9




Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.

Esta obra está licenciada bajo una licencia de atribución Creative Commons Atribución-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.

Avatares de la Comunicación y la Cultura. ISSN 1853-5925 (en línea). Carrera de Ciencias de la Comunicación de la Facultad de Ciencias Sociales UBA, Santiago del Estero 1029 – 1º Piso, C.A.B.A., Argentina. Tel 54 11 4305-6087 Interno 114 www.comunicacion.sociales.uba.ar avatares@sociales.uba.ar

Esta revista se encuentra registrada en: