O cooperativismo habitacional latino-americano: uma ideia que circula

João Paulo Oliveira Huguenin

Resumen


Na atualidade, há um crescimento de pesquisas sobre a circulação de modelos e políticas urbanas. No entanto, essas pesquisas privilegiam as práticas de atores hegemônicos, que reproduzem padrões moderno-coloniais. Ao observarmos atores não-hegemônicos, como os movimentos populares de moradia, verificamos que eles também fazem suas ideias circularem em suas próprias redes. A Secretaria Latino-americana de Habitação e Habitat Popular (SeLViHP - sigla em espanhol) é um exemplo de rede que tem impulsionado o modelo do “cooperativismo habitacional”. As políticas desenvolvidas por esses atores podem ser mais propícias ao enfrentamento da realidade urbana latino-americana, pois seus princípios partem da vivência dessa realidade. Nesse quadro, buscamos verificar como a ideia do cooperativismo habitacional uruguaio chegou ao Brasil na década de 1980. O expoente desse modelo é a experiência paulista. No entanto, a utilização desse caso como exemplar reduz a questão e silencia outras experiências exitosas, como a experiência carioca, que apesar de pequena apresenta a utilização da propriedade coletiva. Através de experiências diversas e a partir de 2003, movimentos de moradia se articularam nacionalmente e conquistaram programas habitacionais de financiamento. No entanto, os programas existentes inviabilizam a propriedade coletiva, uma das características mais potentes do modelo. Atualmente, verificamos que a União Nacional por Moradia Popular (UMNP), em consonância com outros movimentos que integram a SeLViHP, articulam uma proposta de lei que respalde a produção autogerida com propriedade coletiva. Dessa forma, buscamos fazer um balanço de como o modelo do cooperativismo habitacional foi adaptado à realidade brasileira e quais suas possibilidades na construção de cidades mais justas e igualitárias.


Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


ALMADOZ, Arthuro (2011). “Capitais latino-americanas e urbanistas estrangeiros (1920-1950). Em: Ana Lanna, Fernanda Peixoto, José Lira, Maria Ruth Sampaio (comps.): São Paulo, os estrangeiros e a construção das cidades. São Paulo: Alameda, pp. 165-182.

BAKER, Tom; MCCANN, Eugene; TENEMOS, Cristina (2020). “Into the ordinary: non-elite actors and the mobility of harm reduction policies”. Policy and Society, Vol.39 , No.1 , pp.129-145.

BARAVELI, José Eduardo (2006) “O cooperativismo uruguaio na habitação social de São Paulo: das cooperativas FUCVAM à Associação de Moradia Unidos de Vila Nova Cachoeirinha”. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo.

BARROS, Mariana Cicuto (2011) “Autogestão na política habitacional da CDHU - Avanços, Retrocessos e Questões”. (Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/277011944_AUTOGESTAO_NA_POLITICA_HABITACIONAL_DA_CDHU_-_AVANCOS_RETROCESSOS_E_QUESTOES Baixado em 30 de julho de 2020)

BONDUKI, Nabil (1992). Habitação e Autogestão: Construindo Territórios de Utopia. Rio de Janeiro: Fase.

BONDUKI, Nabil (2004). Origens da habitação social no Brasil: Arquitetura moderna, lei do inquilinato e difusão da casa própria. São Paulo: Estação Liberdade.

BURGUÈRE, Elsa; GHILARD, Flávio Henrique; HUGUENIN, João Paulo Oliveira; KOKUDAI, Sandra; SILVA, Valério da (2016). Produção social da Moradia no Brasil: panorama recente e trilhas para a autogestão. Rio de Janeiro: Letra Capital.

CABRERA ALVAREZ, Gustavo (2015). “FUCVAM: os sem-teto uruguaios na contramão do neoliberalismo”. Em: Ivo Dickmann, Ivanino Dickmann (comp.): A questão da habitação popular. Curitiba: Base Editorial, pp. 297-310.

DELGADILLO, Victor (2014). “Urbanismo a la carta: teorías, políticas, programas y otras recetas urbanas para ciudades latinoamericanas”. Caderno Metrópole, Vol.16, No 31, pp. 89-111.

FARIA, Rodrigo de (2018). “Pensar por redes: Instituições interamericanas e o campo profissional do planejamento urbano-regional no século XX”. Em: Paola Berenstein Jacques, Margareth da Silva Pereira (comps.): Nebulosas do pensamento urbanístico: modos de pensar. Salvador: EDUFBA, pp. 288-330.

GHILARD, Flávio Henrique (2017). “Cooperativismo de moradia em montevidéu e autogestão habitacional no Rio de Janeiro: as bases sociais, políticas e econômicas da produção social do habitat na América Latina”. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

GORELIK, Adrian (2011). “A aldeia na cidade: ecos urbanos de um debate antropológico”. Em: : Ana Lanna, Fernanda Peixoto, José Lira, Maria Ruth Sampaio (comps.): São Paulo, os estrangeiros e a construção das cidades. São Paulo: Alameda, pp. 133-164.

GRAMSCI, Antonio (2002). Cadernos do Cárcere. Volume 3. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

HALL, Peter (1988). Cidades do Amanhã. São Paulo: Perspectiva.

HUGUENIN, João Paulo Oliveira (2013). O território do homem comum. Rio de Janeiro: Letra Capital.

HUGUENIN, João Paulo Oliveira (2017a). “A formação do consenso sobre a autogestão habitacional”. (Disponível em: http://anpur.org.br/xviienanpur/principal/publicacoes/XVII.ENANPUR_Anais/ST_Sessoes_Tematicas/ST%205/ST%205.6/ST%205.6-02.pdf Baixado em 30 de maio de 2019).

HUGUENIN, João Paulo Oliveira (2017b). “Uma mirada no espelho: as práticas de assessoria técnica a movimentos sociais no Brasil vistas pela experiência uruguaia”. Revista Thesis, Vol.2, No 3, pp.198-216.

JAJAMOVICH, Guillermo (2017).“América Latina y las asimetrías de poder en abordajes sobre producción y circulación de políticas y teorías urbanas”. Quid 16: Revista del área de Estudios Urbanos. No 8, pp. 160-173.

LANNA, Ana; PEIXOTO, Fernanda; LIRA, José; SAMPAIO, Maria Ruth (2011). São Paulo, os estrangeiros e a construção das cidades. São Paulo: Alameda.

LEI DA AUTOGESTÃO JÁ (2020). “Lei da autogestão já”. (Disponível em: https://leidaautogestaoja.org.br/ Baixado em 25 de abril de 2020).

LIMA, Telma Cristiane Sasso de; MIOTO, Regina Célia Tamaso (2007). “Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica”. Revista Katálysis, Vol.10, No spe, pp.37-45.

MASSEY, Dorren (2011). “A counterhegemonic relationality of place”. Em: Eugene McCann, Keven Ward (comps.): Mobile urbanism: Cities and policymaking in the global age. Minneapolis: 2011, pp.1-14.

MOREIRA, Marianna Fernandes; ALMEIDA, Rafael Gonçalves de (2015). “The rule of social moviments in the construction of housing in Rio de Janeiro”. (Disponível em: https://architecturemps.com/wp-content/uploads/2015/10/MOREIRA-F-GONCALVES-DE-ALMEIDA-R_THE-ROLE-OF-SOCIAL-MOVEMENTS-IN-THE-CONSTRUCTION-OF-HOUSING-SOLUTIONS-IN-RIO-DE-JANEIRO.pdf Baixado em 2 de junho de 2021)

NAHOUM, Benjamin (2008). “La ley de vivienda, cuarenta años después: sólo trata de aplicarla”. Revista Vivienda Popular, No 17, pp.34-41.

NOVICK, Alicia (2009). “La ciudad, el urbanismo y los intercambios internacionales. Notas para la discusión”. Revista Iberoamericana de Urbanismo, No.1, pp.4-13.

OLIVEIRA, Francisco (2009). “Fronteiras invisíveis”. Em: Adauto Novaes (comp.). Oito visões de América Latina. São Paulo: Editora SENAC.

PESSINA, Leonardo (2008). “Una mirada desde la región. Referencia para America Latina”. Revista Vivienda Popular, No 17, pp.20-33.

PORANGABA, Alexandro Tenório (2020). “A habitação para a população de baixa renda no Brasil: termos e conceitos difundidos pela Política Nacional de Habitação”. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, Vol.22, pp.1-19.

PORTO OLIVEIRA, Osmany (2017). International Policy Diffusion and Participatory Budgeting. Basingskike: Palgrave Macmillian.

QUIJANO, Anibal (2005). “Colonialidade do Poder: Eurocentrismo e América Latina”. Em: Edgardo Lander (comp.): A colonialidade do saber. Eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino- americanas. Buenos Aires: CLACSO, pp. 227-278.

ROMERO, José Luis (2004). América Latina: as cidades e as ideias. Rio de Janeiro: editora UFRJ.

ROY, Ananya (2013). “Las metrópolis del siglo XXI Nuevas geografías de la teoría”. Andamios: Revista de Investigación Social, Vol.10, No 22, pp. 149-182.

ROY, Ananya (2017). “Cidades faveladas. Repensando o urbanismo subalterno”. E-metropolis, No 31, pp. 6-21.

SANCHÉS, Fernanda; MOURA, Rosa (1999). “Cidades-modelo: espelho de virtudes ou reprodução do mesmo?”. Cadernos IPPUR/UFRJI, Vol.13, No 2, pp. 95-114.

SELVIP (n.d.). “Impulsando La Vía Urbana En El ALBA De Los Pueblos Por Su Liberación”. (Disponível em: https://albaibera.files.wordpress.com/2012/05/11_tphp-e28093-matcomplementario-e28093-libro-selvip.pdf Baixado em 26 de outubro de 2017)

TENEMOS, Cristina (2017). “Everyday proper politics: rereading the post-political through mobilities of drug policy activism”. Transactions of the Institute of British Geographers, Vo. 42, No 4, pp. 584-596.

UNMP (n.d.). “Lei da Autogestão Já”. (Disponível em: https://leidaautogestaoja.org.br/ Baixado em 25 de abril de 2020.

VAINER, Carlos (2014). “Disseminating ‘Best Practice’? The coloniality of urban knowledge and city models”. Em: Susan Parnell, Sophie Oldfield (comps.): The Routledge Handbook on cities of the Global South. New York: Routledge.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.



Estadísticas
Visitas al Resumen:43
PDF (Português (Brasil)):21


Quid16. Revista del Área de Estudios Urbanos. ISSN: 2250-4060.


Los trabajos publicados en esta revista están bajo Licencia Creative Commons 3.0 Atribución - NoComercial - CompartirIgual.