Um olhar crítico sobre as repercussões urbanas das políticas de distritos criativos. // Una mirada crítica de las repercusiones urbanas de los distritos creativos.

Daniel Sanfelici

Resumen


O universo dos debates sobre políticas públicas é ocasionalmente capturado por modas intelectuais que se pretendem soluções universais e inovadoras para os problemas que afligem as metrópoles. Esses modelos de política pública circulam com notável fluidez entre as redes de interação que aproximam profissionais do planejamento regional e urbano, formuladores de políticas públicas, políticos, consultores e acadêmicos, muitas vezes exercendo um poder de sedução que embaça a visão destes profissionais, e da sociedade mais ampla, diante das insuficiências e riscos que lhes são inerentes. Nos últimos anos, tanto em países desenvolvidos quanto em países em desenvolvimento, ganhou repercussão um modelo de política urbana e regional assentado na ideia de promover cidades que acolham e fomentem a criatividade, vista como espinha dorsal da competitividade na nova economia do conhecimento que emergiu das ruínas do capitalismo fordista. Trata-se de uma política que se anuncia, primordialmente, como política econômica: na atual economia globalizada, as cidades bem-sucedidas em criar empregos e gerar renda seriam aquelas que conseguem atrair ou fomentar endogenamente os setores econômicos associados à criatividade, como design, moda, publicidade e marketing, produção editorial, artes e cultura, etc. No entanto, a política encerra também uma dimensão eminentemente espacial e urbana, na medida em que prescreve intervenções no ambiente construído urbano como requisito imprescindível para atrair estas atividades e setores, cujo bom desempenho se nutre da proximidade espacial. Daí que as políticas inspiradas na ideia de cidades criativas devam ser igualmente apreciadas em sua condição de políticas urbanas, pois sua implementação afeta a distribuição dos usos do solo urbano, modifica os preços dos terrenos e imóveis, promove a atividade de construção e incorporação imobiliária e, quando bem-sucedidas do ponto de vista de seus objetivos, redistribui atividades econômicas e grupos sociais no interior do tecido metropolitano.


Texto completo:

PDF

Referencias


EVANS, G. (2009). Creative cities, creative spaces and urban policy. Urban studies, 46(5-6), 1003-1040.

FERNÁNDEZ, V. R., VIGIL, J. I., & SEVAL, M. (2012). Explorando la región: territorios, escalas y relacionalidades. Revista de Geografía Norte Grande, (51), 21-41.

LE GALÈS, P. (2016). Neoliberalism and urban change: Stretching a good idea too far?. Territory, Politics, Governance, 4(2), 154-172.

MARQUES, E. (2016). De volta aos capitais para melhor entender as políticas urbanas. Novos Estudos Cebrap, v. 32.2, pp. 15-33.

O’NEILL, S. (2017). Making Chile great again. Foreign Affairs. Obtido em: https://www.foreignaffairs.com/articles/chile/2017-05-03/making-chile-great-again.

PECK, J. (2005). Struggling with the creative class. International journal of urban and regional research, 29(4), 740-770.

______ (2011). Geographies of policy: from transfer-diffusion to mobility-mutation. Progress in human geography, 35(6), 773-797.

PONZINI, D., & ROSSI, U. (2010). Becoming a creative city: The entrepreneurial mayor, network politics and the promise of an urban renaissance. Urban Studies, 47(5), 1037-1057.

SARUE, B. (2016). Os capitais urbanos do Porto Maravilha. Novos Estudos CEBRAP, v. 32.2, p. 79-97.

STORPER, M. (2013). Keys to the city: how economics, institutions, social interaction, and politics shape development. Priceton: Princeton University Press


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.



Estadísticas
Visitas al Resumen:122
PDF:70


Quid16. Revista del Área de Estudios Urbanos. ISSN: 2250-4060.


Los trabajos publicados en esta revista están bajo Licencia Creative Commons 3.0 Atribución - NoComercial - CompartirIgual.