Favela, violencia urbana y políticas de seguridad pública en Río de Janeiro. // Favela, urban violence and public security policies in Rio de Janeiro

Maximiliano Duarte

Resumen


Este artículo se propone: a) discutir la construcción simbólica de las favelas y las conceptualizaciones sobre la violencia urbana y el narcotráfico; b) analizar cómo estás definiciones inciden en el diseño y en la instrumentación de las políticas de seguridad pública. A partir de 1980, las acciones del Estado brasilero se orientaron por la denominada “guerra al crimen”, consolidando una noción hiperreal de la violencia que tornó a las favelas en territorios de excepción permanente. Las consecuencias sociales, políticas y económicas de esta guerra, sumada la asunción del Partido de los Trabajadores (2003-2016) y la presentación global de Brasil a través de los mega-eventos, redundaron en la formulación de las Unidades de Policía Pacificadora (UPPs). No obstante, pese a los objetivos manifiestos de esta fuerza, sus acciones cotidianas se basan en la conceptualización hegemónica de las favelas y sus habitantes, entrelazando y reproduciendo las miradas represivas con la necesidad de tutelaje. Estos debates se sustentan en un trabajo de campo etnográfico, efectuado entre 2010 y 2015 en la favela definida por las autoridades estatales como “modelo” de sus intervenciones, entrevistas en profundidad, declaraciones públicas de los implicados y el uso de fuentes secundarias. 

Favela, urban violence and public security policies in Rio de Janeiro


Palabras clave


Favelas; Violencia; Narcotráfico; Estado; Políticas públicas.

Texto completo:

PDF

Referencias


ARAÚJO, Fábio Alves (2016) "Não tem corpo, não tem crime : notas socioantropológicas sobre o ato de fazer desaparecer corpos". Horizontes Antropológicos, Nº 22, pp. 37-64.

BARBOSA, Antônio Rafael (2005) Prender e Dar Fuga. Biopolítica, sistema penitenciário e tráfico de drogas no Rio de Janeiro. Tesis de Doctorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, pp. 539.

BARREIRA, Marcos (2014) "A vitrine e a guerra: estratégias territoriais de ocupação e integração das favelas cariocas". Revista Continentes (UFRRJ), Nº5, pp. 45-75.

BAUDRILLARD, Jean (1993) El intercambio simbólico y la muerte (1a ed.). Caracas: Monte Avila.

BRITO, Felipe (2013) "Considerações sobre a regulação armada de territórios cariocas". En: Felipe Brito, Pedro Rocha Oliveira (Eds.); Até o ultimo homem: visões cariocas da administração armada da vida social. São Paulo: Boitempo, pp. 79-114.

CANO, Ignacio (2006) "Políticas de seguridad pública en Brasil: Tentativas de modernización y democratización versus la guerra contra el crimen". Sur– Revista Internacional de Derechos Humanos, Nº 5, pp. 136-155.

CANO, Ignacio, BORGES, Doriam, RIBEIRO, Eduardo (2012) Os donos do morro. Uma avaliação exploratória do impacto das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) no Río de Janeiro. São Paulo: Fórum Brasileiro de Segurança Publica

CARDOSO, Francisca, CECCHETTO, Fátima, CORRÊA, Juliana, SOUZA, Tiago (2016) "Homicídios no Rio de Janeiro, Brasil: uma análise da violência letal". Ciência & Saúde Coletiva, Nº 21, pp. 1277-1288.

DUARTE, Maximiliano (2016) "Diálogos pendientes: la incidencia de la esclavitud en la construcción social de la favela". Política & Trabalho. Revista de Ciências Sociais, Nº 44, pp. 145-163.

FERREIRA, Letícia (2013) "'Apenas preencher papel': reflexões sobre registros policiais de desaparecimento de pessoa e outros documentos". Mana, Nº 19, pp. 39-68.

GRILLO, Carolina (2013) Coisas da Vida no Crime. Tráfico e roubo em favelas cariocas. Tesis de Doctorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, pp. 280.

INSTITUTO DE SEGURIDAD PÚBLICA (2016) Rio de Janeiro: a Segurança Pública em números. Evolução dos principais indicadores de criminalidade e atividade policial no Estado do Rio de Janeiro – 2003 a 2015. Rio de Janeiro: Instituto de Segurança Pública.

LEÃO, Ingrid (2011) Execuções sumárias, arbitrárias ou extrajudiciais: efetividade das recomendações da ONU no Brasil. Tesis de maestría, Universidade de São Paulo, São Paulo, pp. 215.

LEEDS, Elizabeth (1998) "Cocaína e poderes paralelos na periferia urbana brasileira: ameaças à democratização em nível local". En Alba Zaluar, Marcos Alvito (Eds.) Un século de Favela. Rio de Janeiro: FGV; pp. 233-276.

LEITE, Marcia (2008) "Violência, risco e sociabilidade nas margens da cidade: percepções e formas de ação de moradores de favelas cariocas". Em Luiz Antonio Machado da Silva (Ed.) Vida sob cerco: violência e rotina nas favelas do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira/FAPERJ; pp. 115-142.

LEITE, Marcia (2000) "Entre o individualismo e a solidariedade: dilemas da política e da cidadania no Rio de Janeiro". Revista Brasileira de Ciências Sociais, Nº 15, pp. 43-90.

LYRA, Dyogo (2013) A República dos meninos. Rio de Janeiro: Mauad Editora.

MACHADO DA SILVA, Luiz Antonio (2008) "Violência urbana. Sociabilidade violenta e agenda pública". En Luiz Antonio Machado da Silva (Ed.) Vida sob cerco – violência e rotina nas favelas do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira/FAPERJ; pp. 35-46.

MACHADO DA SILVA, Luiz Antonio (2012) "A partir do relatorio de SAGMACS: as favelas, ontem e hoje". En Marco Antonio Mello da Silva, Luiz Antonio Machado da Silva, Leticia Freire, Soraya Silveira Simões (Eds.) Favelas cariocas: ontem e hoje. Rio de Janeiro: Garamond; pp. 51-64.

MACHADO DA SILVA, Luiz Antonio, LEITE, Marcia (2008) "O que os favelados dizem quando falam desses temas". En Luiz Antonio Machado da Silva (Ed.) Vida sob cerco – violência e rotina nas favelas do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira/FAPERJ; pp. 47-76.

MENEZES, Palloma (2013) Rumores e criticas em favelas “pacificadas”: um estudo sobre como moradores e policias avaliam as Unidades de Policia Pacificadora. Buenos Aires, CLACSO/Asdi.

MENEZES, Palloma (2015) Entre o “fogo cruzado” e o “campo minado”: uma etnografia do processo de “pacificação” de favelas cariocas. Tesis de Doctorado, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, pp. 431.

MISSE, Michel (1997) "As ligações perigosas: mercado informal ilegal, narcotráfico e violência no Rio de Janeiro". Contemporaneidade e Educação, Vol. 2, Nº 1; pp. 93-116.

MISSE, Michel (1999) Malandros, marginais e vagabundos: a acumulação social da violência no Rio de Janeiro. Tesis de Doctorado, Universidade Candido Mendes, Rio de Janeiro; pp. 416.

MISSE, Michel (2008) "Sobre a acumulação social da violência no Rio de Janeiro". Civitas, Vol. 8, Nº 3; pp. 371-385.

MISSE, Michel (2010). "Crime, sujeito e sujeição criminal: aspectos de uma contribuição analítica sobre a categoria 'bandido'". Lua Nova: Revista de Cultura e Política, Nº 79; pp. 15-38.

MISSE, Michel, GRILLO, Carolina, TEIXEIRA, Cesar, NERI, Natasha (2013) Quando a polícia mata: homicídios por "autos de resistência" no Rio de Janeiro (2001-2011). Rio de Janeiro: NECVU/Booklink.

MORAES, Joysi, MARIANO, Sandra, FRANCO, Andrea (2015) "Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) no Rio de Janeiro: uma história a partir das percepções e reflexões do gestor responsável por sua implantação". Revista de Administração Pública,Nº 49; pp. 493-518.

SOARES, Luiz Eduardo (1996) Violência e política no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: ISER.

SOUZA E SILVA, Jailson, ARAUJO, Thiago (2012) Mídia e favela : comunicação e democracia nas favelas e espaços populares. Rio de Janeiro: Observatório de favelas.

VENTURA, Zuenir (1994) Cidade partida. São Paulo, Companhia das Letras.

ZALUAR, Alba (1985) A máquina e a revolta : as organizações populares e o significado da pobreza. São Paulo-Brasil, Brasiliense.

ZALUAR, Alba (2007) "Democratização inacabada: fracasso da segurança pública". Estudos Avançados, Nº 21, pp. 31-49.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.



Estadísticas
Visitas al Resumen:300
PDF:457


Quid16. Revista del Área de Estudios Urbanos. ISSN: 2250-4060.


Los trabajos publicados en esta revista están bajo Licencia Creative Commons 3.0 Atribución - NoComercial - CompartirIgual.