A polis como elemento central das peças trágicas

Ricardo Manoel Oliveira Morais

Resumen


Este artigo tem por objetivo sustentar a tese da centralidade do político nas tragédias gregas. Apesar de estudos literários e filológicos serem de suma importância para o estudo das tragédias, este texto tenta demonstrar que assim como a abertura humana à dimensão política se instaura em um limiar da existência, as tragédias parecem ter sentido este emergir. Não se trata de afirmar que as peças “refletiram” a realidade, mas que as tragédias se colocam como um espaço privilegiado para refletir sobre as ambiguidades, as rupturas, as agonias, as indefinições e o devir que marcam a dimensão política. Para tanto, o texto primeiramente aponta o que seria o “emergir” político do trágico. Em seguida, analisa-se, no âmbito das próprias peças (especialmente no Édipo de Sófocles), a centralidade do político na tragédia.


Palabras clave


Tragédia, Sófocles, político, limiar, emergir.

Texto completo:

PDF

Referencias


Ahrensdorf, P. (2009). Greek Tragedy and Political Philosophy: Rationalism and Religion in Sophocles’ Theban Plays. Nova Iorque: Cambridge University Press.

Arendt, H. (2001). A condição humana. Tradução de Roberto Raposo. 10 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Carter, D. (2010). “The demos in Greek tragedy”. The Cambridge Classical Journal, 56, p.47-94. Disponível: http://journals.cambridge.org/abstract_S1750270500000282. doi:10.1017/S1750270500000282. Acesso em 12 de abril de 2018.

Chauí, M. (2020). A invenção da política. Disponível em: https://territoriosdefilosofia.wordpress.com/2013/05/23/103/. Acesso no dia 20 de julho de 2020.

Chauí, M. (2000). Convite à filosofia. São Paulo: Editora Ática.

Dahl, R. (2012). A democracia e seus críticos. Trad. P. F. Ribeiro. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes.

Easterling, P. E., Knox, B. (orgs.) (1985). The Cambridge History of Classical Literature: Greek Literature. Cambridge: Cambridge University Press.

Ésquilo, Sófocles, Eurípides, Aristófanes. O melhor do teatro grego: Prometeu Acorrentado; Édipo rei; Medeia; As nuvens. Edição comentada. Tradução e notas de Mário da Gama Kury. Editora Zahar, s.a.. (livro eletrônico)

Foucault, M. (2002). A Verdade e as Formas Jurídicas. Tradução de Roberto C. M. Machado e E. J. Morais. 3ª ed. Rio de Janeiro: NAU Editora.

Foucault, M. (1979). Microfísica do Poder. Organização, introdução e revisão técnica de Roberto Machado. 18ª ed. Rio de Janeiro: Edições Graal.

Foucault, M. (2014). Obrar mal, decir la verdad: la función de la confesión en la justicia. Curso de Louvaina, 1981. Tradução de Edgardo Castro. Buenos Aires: Siglo Veintiuno Editores.

Gallego, J. (2018). La anarquía de la democracia: Asamblea ateniense y subjetivación del Pueblo. Buenos Aires: Miño y Dávila Editores.

Gallego, J. (2003). La democracia en tiempos de tragedia. Asamblea ateniense y subjetividad política. Buenos Aires: Miño y Dávila Editores.

Goldhill, S.(2008). “Greek drama and political theory”. In. Rowe, C., Schofield, M. (2008). Greek and Roman Political Thought. Cambridge: Cambridge University Press.

Hall, E. (2010). Greek Tragedy: Suffering under the Sun. Nova Iorque: Oxford University Press Inc.

Knox, B. (1983). The heroic temper. Los Angeles: University of California Press.

Kury, M. (S.A.). Notas. In. Ésquilo, Sófocles, Eurípides, Aristófanes. O melhor do teatro grego: Prometeu Acorrentado; Édipo rei; Medeia; As nuvens. Edição comentada. Tradução e notas de Mário da Gama Kury. Editora Zahar.

Lesky, A. (1996). A tragédia grega. Tradução de J. Guinsburg, Geraldo Gerson de Souza e Alberto Guzik; Revisão por Geraldo Gerson de Souza; Produção por Ricardo W. Neves e Adriana Garcia. São Paulo: Editora Perspectiva.

Lima, G. F. (1994). “Racionalismo, Hamartia e Ambiguidade em Édipo rei de Sófocles”. Revista Sitientibus, n.12, p.7-20, Feira de Santada. Disponível em: http://www2.uefs.br/sitientibus/pdf/12/racionalismo_hamartia_e_ambiguidade_em_edipo.pdf. Acesso em 20 de abril de 2020.

OBER, J. e STRAUSS, B. (1991). “Drama, Political Rhetoric, and the Discourse of Athenian Democracy”. In. WINKLER, J. J., ZEITLIN, F. I. (orgs.). Nothing to Do with Dionysos? Athenian Drama in Its Social Context. Princeton: Princeton University Press.

Platão (2011). Gógias. Tradução, ensaio e notas de Daniel Lopes. São Paulo: Perspectiva.

Silva, M. B. (2015). “Tragédia Grega ou as Fraturas do Espaço Político e Social”. Cadernos do Lepaarq, vol. XII, número 24. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/lepaarq/article/view/4970. Acesso no dia 20 de março de 2020.

Sófocles (1990). Trilogia tebana: Édipo rei, Édipo em Colono, Antígona. Tradução do grego de Mário da Gama Kury. Rio de Janeiro: Zahar.

Tierno, P. (2009). Contingencia política e imitación trágica. Equipo Federal del Trabajo, v. 49, p. 57-67.

Tierno, P. (2014). “Formação da polis e o surgimento da democracia na Grécia antiga: história e consciência da Atenas clássica”. Hologramática (Lomas de Zamora), v. 21, p. 99-119.

Vernant, J. (2002). As origens do pensamento grego. Tradadução de Ísis Borges B. da Fonseca. Rio de Janeiro: Difel.

Versényi, L. (1962). “Oedipus: Tragedy of Self-Knowledge”. Revista Arion, vol. 1, No. 3, pp. 20-30. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/20162791. Acesso em 25 de abril de 2020.

Vidal-Naquet, P. e Vernant, J. P. (2014). Mito e tragédia na Grécia Antiga. São Paulo: Editora Perspectiva.

Winnington-Ingram, R. P. (1985). “Sophocles”. In. Easterling, P. E., Knox, B. (orgs.) (1985). The Cambridge History of Classical Literature: Greek Literature. Cambridge: Cambridge University Press.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.



Estadísticas
Visitas al Resumen:389
PDF:304


ISSN/ISSN-L: 2250-4982

   

 

Indizaciones, directorios y redes