O PAPEL DA MULHER NA ECONOMIA DOMÉSTICA ESCRAVISTA

Almir El-Kareh

Resumen


Proponho, neste ensaio, a construção de um conceito, o de modo de produção doméstico mercantil escravista, que seja capaz de dar sentido histórico ao papel da mulher como agente transformador. Nele, a dona de casa ocupa a posição primordial de organizadora da produção, subvertendo a imagem de mulher submissa e ociosa transmitida por viajantes e disseminada pela imprensa da época, ou aquela de trabalhadora doméstica explorada por seu marido, típica do modo de produção doméstico e tão grata às intelectuais feministas. O conceito de modo de produção doméstico mercantil escravista permite compreender melhor as relações de produção e de comercialização escravistas urbanas, bem como as afetivas, inclusive sexuais, entre os membros da família entre si e com a domesticidade, bem como a transição das relações domésticas escravistas para relações assalariadas. Em outras palavras, permite compreender como a casa escravista se transformou no lar burguês e como a escrava da casa deu lugar à “escrava” do lar, fosse ela a empregada doméstica livre ou a dona de casa pobre.

Palabras clave


Modo de produção doméstico mercantil escravista; A mulher e a mercantilização do corpo no Rio de Janeiro;O papel da mulher na organização e funcionamento da economia urbana;A transição da economia doméstica escravista para a economia doméstica assalariada

Texto completo:

PDF

Referencias


Acerbi, P. (2017). Street Occupations: Urban Vending in Rio de Janeiro, 1850-1925. Austin: University of Texas Press.

Algranti, L. (1988). O feitor ausente. Estudo sobre a escravidão urbana no Rio de Janeiro. Petrópolis: Vozes.

Campbell, C. (2001). A ética romântica e o espírito do novo consumismo moderno. Rio de Janeiro: Editora Rocco.

Cardoso, C. (1973). Observações sobre o dossiê preparatório da discussão sobre o modo de produção colonial. In Parain, C. et al. (Orgs.). Sobre o feudalismo. Lisboa: Editorial Estampa.

Copans, J. (1987). Des modes domestiques aux modes salariés : cycles de prolétarisation et proto-prolétarisation féminine. Réflexions à partir d’exemples africains. Cahiers Sciences Humaines : 23 (1), 75-87.

Debret, J.-B. (1835). Voyage Pittoresque et Historique au Brésil, tome II. Paris : Firmin Didot Frères. De:

http://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k5570716d.r=Debret%2C%20Jean-Baptiste

Delphy, C. (2001). Penser le genre. L’ennemi principal. Collection “Nouvelles Questions Féministes”. Paris : Éditions Syllepse.

El-Kareh, A. (2004). Famílias adotivas, amas-de-leite e amas-secas e o comércio de leite materno e de carinho na Corte do Rio de Janeiro. Gênero, 4 (2), 9-30, 1º sem.

El-Kareh, A. (2005). Meninos vagabundos e meninas prostitutas: o trabalho livre e compulsório na Corte do Império do Brasil. XXV Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Pesquisa Histórica/SBPH. Rio de Janeiro: SBPH.

El-Kareh, A. (2005-2007). A pobreza pertinho do céu: moradia e alimentação dos pobres no Rio de Janeiro (1850-1889). Revista Maracanan, 3 (1), 76-96.

El-Kareh, A. (2008, janeiro, julho.). Comida quente, mulher ausente: produção doméstica e comercialização de alimentos preparados no Rio de Janeiro no século XIX. Caderno Espaço Feminino, 19 (1), 89-115.

EL-Kareh, A. (2016). As artimanhas do Braguinha e a invenção do cafezinho. In Prado, S. et al. (Orgs.). Estudos Socioculturais em Alimentação e Saúde: Saberes em Rede, pp. 125-160. Rio de Janeiro: Eduerj.

Graham, S. (1992). Proteção e obediência: criadas e seus patrões no Rio de Janeiro, 1860-1910. Viviana Bosi (Trad.). São Paulo: Companhia das Letras.

Karasch, M. (2000). A vida dos escravos no Rio de Janeiro (1808-1850). Pedro Maia Soares (Trad.). São Paulo: Companhia das Letras.

Jornal do Commercio (1833). Rio de Janeiro, RJ. De: http://bndigital.bn.br/acervo-digital/jornal-do-commercio/758248

Meillassoux, C. (1975). Femmes, greniers et capitaux. Paris: Maspero.

Ministério da Justiça (1870): Relatório do Chefe da Polícia. Anexo A. 21-22. De: http://brazil.crl.edu/bsd/bsd/u1863/000040.html

O Paiz (1884-1934). Rio de Janeiro, RJ. De: http://bndigital.bn.br/acervo-digital/paiz/178691

Pfeiffer, I. (1859). Voyage d’une femme autour du monde. W. de Suckau, (Trad.). Paris: Imprimerie de Ch. Lahure et Cie. De: http://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k6544120v.r=Pfeiffer%2C%20Ida

Pradez, C. (1872). Nouvelles études sur le Brésil. Paris : Ernest Thorin. De: https://archive.org/details/nouvellesetudess00prad

Silva, M. R. (1988). Negro na rua. A nova face da escravidão. São Paulo: Hucitec.

Soares, L. C. (2007). O “Povo de Cam” na capital do Brasil: A escravidão urbana no Rio Rio de Janeiro do século XIX. Rio de Janeiro: Faperj.

Toussaint-Samson, A. (1883). Une Parisienne au Brésil. Paris: Paul Ollendorff éditeur. De: http://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k5747774p.r=Adele%20Toussaint-Samson


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.



Estadísticas
Visitas al Resumen:105
PDF:79


Lavboratorio. Revista de Estudios sobre Cambio Estructural y Desigualdad Social.

ISSN en línea 1852-4435
Pte. J. E. Uriburu 950, 6º - C1114AAD - Ciudad de Buenos Aires, Argentina
Tel.: +54 11 4508 3815
e_lavbor@sociales.uba.ar

 Facebook Twitter Instagram

@lavboratorio

 

Licencia de Creative Commons
Lavboratorio está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.