Neofascismo e neoliberalismo no Brasil do Governo Bolsonaro

Armando Boito

Resumen


A situação política atual do Brasil tem algo em comum com a de outros países da América do Sul após a assim chamada “Onda rosa”, mas tem também muito de particular e essa particularidade se refere ao radicalismo de extrema direita do Governo Bolsonaro. Trata-se de um governo cujo presidente e cujos ativistas de sua base social defendem abertamente a implantação de uma ditadura no Brasil e defendem também os métodos de tortura utilizados pelos regimes ditatoriais. O Governo Bolsonaro combina essa concepção que, como veremos, caracterizamos como fascista, com um neoliberalismo radicalizado, criando uma situação inusitada na história política recente do Brasil

Palabras clave


Fascismo Neoliberalismo Brasil

Texto completo:

PDF

Referencias


Almeida, Ronaldo. 2019. Bolsonaro presidente. Conservadorismo, evangelismo e a crise brasileira. Novos Estudos. Volume 38. Pp. 185-213.

Bobbio, Norberto. 1997. Dal fascismo ala democrazia: i regimi, le ideologie, le figure e le culture politiche. A cura di Michelangelo Bovero. Milano: Baldini & Castoldi.

Boito Jr., Armando. 2020. “Porque caracterizar o bolsonarismo como fascismo”, Crítica Marxista, número 50. Pp. 111-119. Disponível em: https://www.ifch.unicamp.br/criticamarxista/arquivos_biblioteca/dossie2020_05_26_14_12_19.pdf

Boito Jr., Armando. 2007. Política, Estado e classes sociais. São Paulo: Editora Unesp.

Boito Jr., Armando. 2018. Reforma e crise política no Brasil – os conflitos de classe nos governos do PT. São Paulo e Campinas: Editora Unesp e Unicamp.

Boron, Atilio. 2003. “El fascismo como categoria histórica: en torno al problema de las dictaduras en América Latina”. In Atilio Boron: Estado, capitalismo y democracia en America Latina. Buenos Aires: Clacso, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales. Em: http://www.clacso.org/wwwclacso/espanol/html/libros/estado/estado.html.

Catalano, Franco. 1964. Potere economico e fascismo – la crise del dopoguerra 1919-1921. Milano: Lerici Editoria.

Cueva, Augustín. 1977. “La cuestión del fascismo”. Revista Mexicana de Sociología, Vol. 39, No. 2 (Abril - Junho), pp. 469-480. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/3539774.

De Vito, Francesco. 2020. La Repubblica di Salò: Gli ultimi giorni dell’Italia fascista. Area51 Publishing. Edição do Kindle.

Dimitroff, Georgi. 1935. Working class unity-bulwark against fascism. Seventh World Congress of the Communist International. New York City: Workers Library Publishers.

Fernandes, Florestan. 2015. Poder contrapoder na América Latina. 2a Edição. São Paulo: Expressão Popular.

Filgueiras, Luiz e Druck, Graça. 2020. O Brasil nas trevas. (2013-2020). Do golpe neoliberal ao fascismo. São Paulo: Boitempo.

Forlini, Luana. 2020. O posicionamento dos produtores de soja no contexto da crise política no Brasil – (2014-2019). Campinas: Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Dissertação de Mestrado.

Gentile, Emilio. 2019. Chi è fascista. Bari: Editori Laterza.

Gramsci, Antonio. 1978. Sul Fascismo. A cura de Enzo Santarelli. Editori Internazionali Riuniti.

Grazia, Victoria e Luzzatto, Sergio. 2019. Dizionario del fascismo. Volume I. Milão: Arnoldo Mondatori Editore.

Guérin, Daniel. 1965 [1936]. Fascisme et grand capital. Paris: François Maspero.

Jaguaribe, Hélio. 1968. “Brasil: estabilidad social por el colonial-fascismo?”. In: Celso Furtado et alii, Brasil Hoy. México, Siglo Veintiuno.

Kalil, Isabel. 2019. Quem são e no que acreditam os eleitores da Jair Bolsonaro. https://www.fespsp.org.br/upload/usersfiles/2018/Relat%C3%B3rio%20para%20Site%20FESPSP.pdf

Moraes, João Quartim de. 1971. La nature de classe de l’État brésilien. Les Temps Modernes, nº304.

Paxton, Robert. 2004. The anatomy of fascism. Nova Iorque: Alfred A. Knopf.

Poulantzas, Nicos. 1970. Fascisme e dictature. Paris: François Maspero.

Poulantzas, Nicos. 1974. Les classes sociales dans le capitalisme aujourd’hui. Paris: Seuil.

Prandi, Reginaldo. 2019. Os 12% do presidente – em que lugar da sociedade habita o bolsonarista convicto? São Paulo: Jornal da USP. 13/09/2019.

Saes, Décio. 1987. Democracia. São Paulo: Editora Ática.

Santos, Theotônio. 1977. “Socialismo y fascismo en America Latina hoy”. Revista Mexicana de Sociología, Vol. 39, No. 1, (Janeiro - Março), pp. 173-190. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/3539794.

Togliatti, Palmiro. 2019 [1970]. Lezioni sul fascismo. Roma: Editori Riuniti.

Traverso, Enzo. 2019. Il "post-fascismo" in Europa: un processo di trasformazione politica di cui si ignora l'esito. Il megafono delle idee – ALEGRE. Disponível em:

http://ilmegafonoquotidiano.it/news/il-post-fascismo-europa-un-processo-di-trasformazione-politica-di-cui-si-ignora-lesito Acessado em 23 de abril de 2019

Traverso, Enzo. 2019. Le metamorfosi delle destre radicali nel XXI secolo. Utopie. Fondazione Giangiacomo Feltrinelli.

Trindade, Helgio. 1982. “El tema del fascismo en America Latina”. Revista de Estudios Políticos (Nueva Epoca). Número 30, novembro-dezembro.

Trotsky, Leon. 1968. Revolução e contra revolução na Alemanha. Rio de Janeiro. Laemmert.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.



Estadísticas
Visitas al Resumen:453
PDF:215


Observatorio Latinoamericano y Caribeño - ISSN 1853-2713 
olac@sociales.uba.ar

Marcelo T. de Alvear 2230 3º piso of. 314.
(C1122AAJ) Ciudad de Buenos Aires.
Tel. +54 11 5287 1525
iealc@sociales.uba.ar

Instituto de Estudios de América Latina y el Caribe
Facultad de Ciencias Sociales | Universidad de Buenos Aires

Licencia CC