A Liga de Defesa Nacional e a construção da hegemonía burguesa no Brasil

Magalí Gouveia Engel

Resumen


Entre esses literatos, médicos, juristas, professores, jornalistas é possível identificar aqueles que atuaram como intelectuais orgânicos das frações da classe dominante comprometidas com o advento e a consolidação do capitalismo, formulando e/ou difundindo propostas de (re) construção da nação pautados nas noções burguesas de civilização e de progresso. Várias organizações da sociedade civil foram fundamentais como espaços de construção e veiculação desses projetos que disputavam entre si a hegemonia nos campos intelectual e político. Entre tais agências, não apenas a imprensa, mas também a Academia Brasileira de Letras, o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, bem como as inúmeras Ligas criadas nas décadas de 1910 e 1920, desempenharam papel fundamental. Pensando na possibilidade de considerarmos tais instituições como um partido político no sentido gramsciano, proponho aqui examinar o exemplo da Liga de Defesa Nacional RJ, 1916), buscando analisar o projeto de construção do Brasil como nação moderna e civilizada nos termos burgueses, veiculado pelos intelectuais orgânicos que participaram de sua fundação.


Texto completo:

1-17

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.



Estadísticas
Visitas al Resumen:40
1-17:25


Copyright (c) 2020 e-l@tina. Revista electrónica de estudios latinoamericanos

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.

e-l@tina. Revista electrónica de estudios latinoamericanos - ISSN 1666-9606 - contacto: revista.elatina@gmail.com
o en facebook

Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial 4.0 Internacional